Exploração da Matemática Presente em Jogo de Damas: Uma Contribuição para o Ensino da Matemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.54580/R0502.09

Palavras-chave:

Jogo de Damas, Ensino da Matemática, Etnomatemática

Resumo

A aversão à matemática, que os alunos de distintas faixas etárias manifestam, preocupa ou desafia os matemáticos e/ou professores de matemática a desenvolverem estudos que possam melhorar as aprendizagens matemáticas dos alunos ou promover o interesse em aprender a matemática. O “descongelamento” da matemática recôndita em diversos jogos pode contribuir para dar uma visão diferente da matemática. O presente artigo visa identificar tópicos matemáticos “congelados” em jogos de damas praticados em Angola, em particular no Município de Menongue, Província do Cuando Cubango, que são ministrados no ensino primário e secundário. A investigação insere-se no campo de etnomatemática e, tendo em conta a sua natureza, usou-se a metodologia qualitativa apoiada à entrevista semiestruturada, à observação directa, ao registo fotográfico. Participaram no estudo onze (11) indivíduos da comunidade (ou praticantes de jogo de Damas) do Município de Menongue (Cuando Cubango). Fez-se a descrição das três versões de jogos de damas (12 por 12; 10 por 10 e 8 por 8), elaborou-se algumas questões que nortearam esta investigação (Porque é que a estrutura do jogo de damas tem o mesmo número de linhas e colunas? Porque é que os jogadores ao colocarem as peças de damas no meio deixam sempre duas linhas vazias? Porque é que o somatório de linhas e colunas é igual ao número par? Porque é que cada casa pintada do tabuleiro do jogo de damas corresponde a um número ímpar?) e, por fim, explorou-se alguns conceitos matemáticos envolvidos em referido jogo (como, por exemplo, a noção do plano cartesiano, rectas diagonais, distância entre dois pontos, mediana (elemento da Estatística), números pares e ímpares).

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

D´ Ambrosio, U. (2005). Sociedade, Cultura, Matemática e seu ensino. Revista da Educação e Pesquisa da Universidade de São Paulo, 31(1), 99-120. https://doi.org/10.1590/S1517-97022005000100008

Dias, D. (2015). Estudo Etnomatemático sobre o grupo étnico Nyaneka-nkhumbi do Sudoeste de Angola: Aplicação à Educação Matemática (Tese de doutoramento, Universidade do Minho, Braga, Portugal). Disponível em: https://hdl.handle.net/1822/42586

Diniz, P. (2018). A Matemática por detrás das cartas de baralho. Maputo, Moçambique: Real Design.

Gerdes, P. (1980). A Ciência Matemática: 1º Seminário Nacional sobre o Ensino da Matemática. Maputo, Moçambique.

Gerdes, P. (2003). Vinte cinco anos de Estudos Historico-etnomatemáticos na África ao Sul do Sahara. Revista de la Sociedad Española de História de las Ciências y de las Técnicas, 56 (26), 491-520. https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=866185

Gerdes, P. (2007). Etnomatemática: Reflexões sobre Matemática e Diversidade Cultural. Famalicão: Edições Húmus.

Neto, J. P., & Silva, J. N. (2004). Jogos matemáticos, jogos abstratos. Espanha: Liberduplex.

Pinheiro, L. V. (2016). A importância do sentido do saber: O caso da Matemática presente no Município de Salinópolis (Dissertação de Mestrado, Universidade de Évora). Disponível em: http://hdl.handle.net/10174/17682

Silva, A. F., & Kodama, H. M. (2004). Jogos no Ensino da Matemática. II Bienal da Sociedade Brasileira de Matemática, UFBa. Disponível em https://www.ibilce.unesp.br/Home/Departamentos/Matematica/labmat/jogos_no_ensino_da_matematica.pdf

Stewart, I. (2006). Cartas a uma jovem matemática. Lisboa, Portugal: Relógio D´Água.

Downloads

Publicado

2024-04-27

Como Citar

Exploração da Matemática Presente em Jogo de Damas: Uma Contribuição para o Ensino da Matemática. (2024). Revista Angolana De Ciências , 5(2), e050209. https://doi.org/10.54580/R0502.09

Artigos Similares

1-10 de 13

Também poderá iniciar uma pesquisa avançada de similaridade para este artigo.