Impacto da qualidade da água na saúde humana: um estudo de caso no Bairro Calomanda

Palavras-chave: características organoléticas,, qualidade de água, nível académico, ocorrência de doenças

Resumo

A qualidade da água é um aspecto fundamental para a saúde humana e tem sido um assunto frequentemente discutido em vários domínios, e nas mais distintas dimensões, sendo que o contexto dos países em desenvolvimento e sobre tudo os da região da África Austral os mais preocupantes.  A situação de Angola e em particular da província do Huambo, não é díspar dos demais países da região, sendo que existem estudos que analisam a qualidade de água e descrevem a vontade de pagar dos moradores por este serviço. No entanto, há poucas evidencias sobre a qualidade água na perspectiva do consumidor, assim como, a relação entre o nível académico, o tratamento de água e ocorrência de sintomas de doenças de veiculação hídrica. É com base nesta realidade, que no presente estudo admitem-se as hipóteses de que o foco de maior incidência destas doenças ocorrem nas zonas onde a água é de menor qualidade do ponto de vista organoléptico na perspectiva dos moradores. De igual modo, parte-se também do pressuposto de que o nível académico dos moradores é um dos factores que influencia quer no tratamento, assim como, na ocorrência das doenças de veiculação hídrica. Com o objetivo de  descrever a influência do nível académico na ocorrência de doenças de veiculação hídrica no bairro da Calomanda, fez-se recurso ao método não paramétrico utilizando o testes de Spearmen e os resultados demostram haver correlação entre o nível académico, tratamento de água e ocorrência de doenças de veiculação hídrica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Areco, K. C. N., Konstantyner, T., & Taddei, J. A. de A. C. (2016). Tendência secular da mortalidade infantil, componentes etários e evitabilidade no Estado de São Paulo—1996 a 2012. Rev Paul Pediatr., 34(3), 263–270.

Barrera, M. alejandra M. (2014). Uso de la correlación de Spearman em un estudio de la intervencíon en Fisioterapia. Mov.cient, 8(1), 98–104.

Benguela, Z. B., Valente, A. M., & Tomaz, P. D. (2007). Avaliação contingente para analisar a vontade de pagar dos habitantes do Huambo. Revista Portuguesa de Estudos, 15, 5–20.

Bos, R. (2016). Manual Sobre os Direitos Humanos à Água Potável e Saneamento para Profissionais. Obtido de www.iwapublishing.com

Brandt, K. G., Antúnes, M. M. de C., & Silva, A. P. da. (2015). Diarreia aguda: Manejo baseado em evidências. Elsevier Editora Ltda, (91), 36–43.

Brito, L. T. de L., Amorim, M. C. C. de, & Leite, W. de M. (2007). Qualidade da Água para Consumo Humano. Obtido de http://www.cpatsa.embrapa.br

Decreto Presidencial n.o 261/11. Regulamento sobre a Qualidade da Água. , (6 de Outubro).

Fernandes, L. de A. (2014). Avaliação Microbiológica e Física -Química da Qualidade da água para o Consumo Humano na Província do Planalto Central-Huambo -Angola (Dissertação, Instituto Politécnico de Bragança).

FUNASA. (2004). Manual de Saneamento (3a). Brasília: Ministério da Saúde.

FUNASA. (2013). Caderno de pesquisa em engenharia de saúde pública. Fundação Nacional de Saúde.

FUNASA. (2014). Manual de Controle da Qualidade da Água para Técnicos que Trabalham em ETAS (1o). Obtido de http://www.funasa.gov.br

Guedes, A. F., Tavares, L. N., Marques, M. N. da N., Moura, S. P., & Sousa, M. N. A. de. (2017). Tratamento da água na prevenção de doenças de veiculação hídrica. Journal of Medicine and Health Promotion, 2(1), 452–461.

INE. (2016). Resultados Definitivos do Recenciamento Geral da População e da Habitação de Angola 2014 Província do Huambo. Luanda-Angola: Instituto Nacional de Estatistica.

Iritani, M. A., & Ezaki, S. (2012). As águas subterrâneas no Estado de São Paulo (3o). www.igeologico.sp.gov.br

Jacobi, P. R., & Grandisoli, E. (2017). Água e sustentabilidade: Desafios, perspectivas e soluções (1o). São Paulo- Brasil: IEE-USP e Reconectta.

Laureano, R. M. S. (2011). Testes de Hipótese com o SPSS- o meu Manual de Consulta rápida (1a). Lisboa: Silabo, Ld.

Macedo, M. A. (2017). A influência da escolaridade e etnia parental na saúde das crianças e adolescentes. Universidade Nova de Lisboa, Escola Nacional de Saúde Pública, Lisboa.

MINUA. (2006). Relatório do Estado Geral do Ambiente em Angola. Ministério do Urbanismo e Ambiente.

Odikamnoro, O., & Ozowara, N. (2014). Pathogens in drinking water sources in rural areas of Nigeri:Implication for public health. International Journal of Infectious Diseases, 21, 173.

Oliveira, O. M. M. de F., Junior, K. S., & Schlünzen, S. T. M. (2013). Química (Vol. 3). Obtido de www.acervodigital.unesp.br

OMS. (2014). Saúde das pessoas: O que funciona: Relatório sobre a Saúde na Região Africana. Organização Mundial da Saúde.

Pakissi, C. P., Silva, V., & Dentinho, T. P. (2012). Optimizing locations in Africa. Meet central place theory and Huambo reality. ERSA, Bratislava, Slovakia.

Parron, L. M., Muniz, Daphne Heloisa de Freitas, & Pereira, C. M. (2011). Manual de Procedimento de amostragem e análise físico-química de água (1a). Obtido de www.cnpf.embrapa.br

Paulos, E. M. dos S. (2008). Qualidade da água para consumo humano. Universidade da Beira Interior, Covilhã.

PDP. (2018). Plano de Desenvolvimento Provincial 2018-2022. Governo da Provincia do Huambo.

PNDS. (2012). Plano Nacional de Desenvolvimento Sanitário 2012-2025. Ministério da Saúde.

PNUMA. (2013). Cuidando das águas: Soluções para melhorar a qualidade dos recursos hídricos.

Porto, R. L. L. (2012). Fundamentos para a Gestão da Água. Brasil: Editora Rubem La Laina Porto

Potts, D. (2012). Watever Happened To África´s Rapid Urbanisation? Published by Africa Research Institute.

Razzolini, M. T. P., & Günther, W. M. R. (2008). Impactos na Saúde das Deficiências de Acesso a Água. Saúde Soc. São Paulo, 17(1), 21–32.

Sousa, R. S. de, Menezes, L. G. C. de, Felizzola, J. F., Figueiredo, R. de O., Sá, T. D. de A., & Guerra, G. A. D. (2016). Água e saúde no município de Igarapé-Açu, Pará1. Saúde Soc. São Paulo, 25(4), 1095–1107. https://doi.org/0.1590/S0104-12902016157497

Souza, W. A. D. (2007). Tratamento da Água. Natal: CEFET-RN.

UNESCO. (2018). Soluciones baseadas en la naturaleza para la gestión del agua. UN Educational, Scientific and Cultural Organization UN Water

Victorino, C. J. A. (2007). Planeta água morrendo de sede: Uma visão analítica na metodologia do uso e abuso dos recursos hídricos. Obtido de http://www.pucrs.br/edipucrs

Yamaguchi, M. U., Cortez, L. E. R., Ottoni, L. C. C., & Oyama, J. (2013). Qualidade microbiológica da água para consumo humano em instituição de ensino de Maringá-PR. Mundo da Saúde, 37(3), 312–320.

Publicado
2020-11-02
Como Citar
João, D. D. (2020). Impacto da qualidade da água na saúde humana: um estudo de caso no Bairro Calomanda. RAC: Revista Angolana De Ciências, 2(3), 433-452. Obtido de https://publicacoes.scientia.co.ao/ojs2/index.php/rac/article/view/113
Secção
Artigos