O Nacionalismo na Luta Pelas Independências das Colónias em África (Angola)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.54580/R0502.15

Palavras-chave:

Colonização, Nacionalismo, Independências

Resumo

O presente estudo tem como finalidade proceder à análise do impacto do Nacionalismo na luta pelas Independências das colónias em África, dando particular destaque ao caso de Angola. Constitui objectivo deste trabalho aferir as mudanças que se operaram no Continente de 1888 a 1910, marcadas pela conquista e ocupação de quase todo o continente africano pelas potências imperialistas ocidentais; seguindo-se-lhe a implantação efectiva e instalação do sistema colonial enquanto sistema administrativo na segunda metade do séc. XIX, divisão e definição dos espaços geográficos. Efetivamente, o ano de 1910, caracterizou-se essencialmente pela consolidação e exploração daquele sistema, tendo provocado grandes distorções nas estruturas económicas, sociais e culturais dos territórios dominados. O apelo redigido no Congresso de Manchester (1945) aos povos colonizado, orientava expressamente que todas as colônias deveriam ser libertadas do controlo imperialista estrangeiro, tanto político como econômico, e lutar por todos os meios para o alcance destes objetivos. O recurso a pesquisa qualitativa assente em bibliografia relacionada com estas temáticas, ao método indutivo-dedutivo permitiram des (construir) ideias de uma África passiva, consubstanciadas no surgimento de movimentos que visaram a derrocada do sistema colonial. Com efeito, iniciou, com o final da II Guerra Mundial, o processo de descolonização, tendo resultado disso um nacionalismo africano mais revigorado, radical e consequente. Tal significa um nacionalismo continental mais consciente, esclarecido e esclarecedor, melhor estruturado e enquadrado politicamente e representado internacionalmente e com níveis de organização política e culturais qualitativamente superiores, tendo o ano de 1960 sido marcado como ano de África, com a eclosão das várias independências dos respectivos países africanos e consequente recuperação e afirmação da identidade sócio-histórica, politica e cultural, escamoteada pela colonização.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

Amaral, Ilídio ( 1997) Fronteira Internacionais africanas, – in Separata do Catálogo de Exposições, As Fronteiras de África, Lisboa, 7 de Julho – 7 de Agosto

Augustoni, Prisca & Viana, Anderson Luiz (2010) A identidade do sujeito na fronteira do póscolonialismo em Angola. In: IPOTESI, 14 (2), p. 189-205. Disponível em: http://www.ufjf.br/revistaipotesi/files/2011/04/16-A-identidade-do-sujeito-na-fronteira-dop%C3%B3s-colonialismo-em-Angola.pdf. Consultado em 14.02.2023

Barros, Flávia Cristina: Oliveira Murbach de e Narda Helena Jorosky (2015). 2 Práticas Pedagógicas e Formação de Professores: vivências humanizadorasem sala, FIOSP, p.1. Disponível:https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/17732_7727.pdf, acessado 23-06-2023

Barry, Boubacar (1999). O Desafio da História Regional. Sephis – Centro de estudos afro-asiáticos, trabalho apresentado no Simpósio regional de historiadores africanos sobre o papel da História na pesquisa e na consolidação da paz, Mali, 15-19.

Boahen, Albert Adu, (2010) “A África diante do desafio colonial”, em Albert Adu Boahen, História geral da África, VII: África sob dominação colonial, 1880-1935 (pp. 1-20), 2ª edição, Brasília, UNESCO, p. 33

Branco, Luís Castelo, (2013) O Mito das Fronteiras em África, p.72 disponível em: http://repositorio.ulusiada.pt/bitstream/11067/1023/1/ LPIS_n8_4.pdf, consulta 15 Agosto 2015

Carvalho, Rui Moreira de (2005). Compreender África, Teorias e Práticas de Gestão, Editora FGV, 1ª edição, Rio de Janeiro.

Cheikh Anta Diop (1974) A Origem Africana da Civilização Mito ou Realidade https://www2.unifap.br/neab/files/2018/05/Dr.-Cheikh-Anta-Diop-A-Origem-Africana-da-Civiliza%C3%A7%C3%A3o-ptbr-completo.pdf. acessado em 22-12- 2023.

Correia, Pedro de Pezarat, (2010), Manual de Geopolítica e Geoestratégia volume II; análise geoestratégica do mundo em Conflito. Coimbra, Almedina

Diallo, Alfa Oumar (2006), A Nova Parceria para o Desenvolvimento da África: NEPAD, paradigma para o Desenvolvimento, Tese de Doutoramento em Direito, Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). 2006, pp. 9-10.

Dias, Eduardo Costa, (2010). Do Estado Colonial ao Pós-colonial - Continuidades, Rupturas, Reivindicações, O Estado em África tem também uma História africana. disponível: Consulta em 12- 05 - 2021

Garrido, Rui, (2020). O Direito à existência e à auto de terminação. In Comentário a carta in Comentário da Carta Africana dos Direitos Humanos e dos Povos e do Protocolo Adicional, (org) Paulo Pinto de Albuquerque, Lisboa, Universidade Católica Editora, 2020 Pag. 818.

Guimarães, Gustavo Carvalho & Araújo, Joyce Marilene Mertig (2018), O Movimento dos Não alinhados e a América Latina: Uma análise do movimento na atualidade, p. 52-53. Disponível em: https://dspace.unila.edu.br/bitstream/handle/123456789/4251/SARI_2019_52-60.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Henrique, Cunha, (2013) O Ensino da História Africana, p. 11. disponível: https://www.geledes.org.br/o-ensino-da-historia-africana/, acessado 23-05 -2023

Henriques, Isabel Castro (1997). Percursos da modernidade em Angola: dinâmicas comerciais e transformações sociais no século XIX, Lisboa, Instituto de Investigação Científica Tropical. Consulta de 05- 11-2015

Kamabaya, Moisés Gaspar (2014). O Renascimento da Personalidade Africana.1ª edição. Luanda, Mayamba editora;

Ki-Zerbo J. (1972). História da África Negra I. Portugal: editora Biblioteca Universitária Europa-América;

Ki-Zerbo, Joseph. (2006), Para Quando África? Entrevista de Réne Holenstein, Editores S. A., 1ª edição, Luanda, Angola

Ki-Zerbo. Joseph.(2002) A História da Africa Negra, Publicações Europa-América, Volume II.

Lousada, Abílio (2010), “As fronteiras africanas (II)”, Janus: Anuário de relações exteriores, 126-127, p. 127. Disponível em: http://hdl.handle.net/11144/1041

M’Bokolo, Elikia (2007), África Negra: história e civilizações. Tomo II – do século XIX aos nossos dias, Lisboa, Edições Colibri.

Madureira, Arnaldo (1988) A Colonização Portuguesa em África, 1890- -1910, Retrospectiva e Diagnóstico, Livros Horizonte, Lisboa.

Manuel, T. (2021). Angola, História da Economia e da Sociedade dos Estados/Reinos à Integração na SADC. Benguela: Editora Shalom

Mendonça, Marina Gusmão de,(2019), A Descolonização da África: Nacionalismo e Socialismo de Sankofa. Revista de História da África e de Estudos da Diáspora Africana Ano XII, NºXXII, maio/ P.129, disponível: https://www.revistas.usp.br/sankofa/article/view/158261/153444, acesso : 24-06-2023

Neto, M. C. (1997), Ideologias, Contradições e Mistificações da Colonização de Angola no século XX, disponível em: https://www.persee.fr/docAsPDF/luso_12570273_1997_num_4_1_1105.pdf, acesso em: 20/09/2021.

Pinto, Simone Martins Rodrigues (2007), “A construção da África: uma reflexão sobre origem e identidade no continente”, Disponível: httpwww.revistas.usp.brreaaarticleviewFile1148313251, consulta em: 13-01-2015 P. 226

Robert, Anne-Cécile (2013). Que resta das fronteiras africanas? Disponível em: http://www.buala.org/pt/jogos-sem-fronteiras/que-resta-das-fronteiras-africanas. Consulta de 05- 11-2015

Roque, Fátima Moura (2008). “Prevenção e Resolução de conflitos e gestão Pós-conflito em África: princípios básicos”.2008 Disponível em: http://revistas.ulusofona.pt/index.php/africanologia/atrticle/view/945. consulta a 15 de Janeiro de 2011

Silva, Adriana Fraga da (2010). “Fluxos de Fronteiras entre Campos Produção do Conhecimento Sobre o Passado: Lugares da Cultura Material para Além da Arqueologia”. Resumo do grupo de trabalho apresentado no X Encontro Estadual de História – ANPUH-RS – Simpósios Temáticos.

Silva, Sónia . C.C.dos Santos . (2014). A Conferência de Berlim, Uma visão contemporânea dos problemas de interpretação. Luanda: Editora Paulinas

Silva, Sónia C. C. dos Santos. (2020), Da OUA Cooperação e a Integração dos Estados em África, Página 119 a 142, in Revista da Faculdade de Direito da Universidade Katyavala Bwila (UKB), ANO II Nº2, ABRIL 2020, ISSN – 2664 – 7419.

Silva; Sónia C. C. dos Santos, (2019) O Percurso Histórico do Estabelecimento das Fronteiras em Angola, in Fronteira: Revista de História, V. 21, nº 37 /2019 ISSN 2175 -0742, disponível: https://www.researchgate.net/publication/334650780_O_Percurso_Historico_do_Est abelecimento_das_Fronteiras_em_Angola. ID: https://orcid.org/0000-0002-8126- 8492 Doi: 10.30612/frh.v21i37.10139

Vela João Marcelo, 2015, A União Africana pp.1-2 , Disponível ; https://www.infoescola.com/geografia/uniao-africana/, acesso 25-07-2023

Venâncio, J. C. (2009). O Fato Africano, Elementos Para Sociologia da África, Editora Massangana, Brasil,

Zau, Filipe (2010), O Grupo Pré-Bantu Vátua. p. 1-2 Disponível em http://jornaldeangola.sapo.ao/cultura/o_grupo_pre-bantu_vatua, consulta a 18 de janeiro de 2020.

Downloads

Publicado

2024-04-27

Como Citar

O Nacionalismo na Luta Pelas Independências das Colónias em África (Angola). (2024). Revista Angolana De Ciências , 5(2), e050215. https://doi.org/10.54580/R0502.15