O Cuidado do Coto Umbilical para um Grupo de Puérperas de Luanda

Autores

DOI:

https://doi.org/10.54580/R0502.12

Palavras-chave:

Período Pós-Parto, Cuidado da Criança, Cordão umbilical, Cultura

Resumo

As práticas de cuidado com o coto umbilical diferem muito a depender do país, da região, da cultura, das pessoas que cuidam. O cuidado com o coto umbilical acontece normalmente no âmbito do domicílio, tendo como os cuidadores pessoas da família ou próximas, normalmente mulheres e, o que rege este cuidado nem sempre está embasado em evidências científicas, mas em crenças que são transmitidas de geração em geração. Assim, o objectivo deste estudo foi conhecer as práticas de cuidado do coto umbilical desenvolvidas pelas puérperas que tiveram seus partos na Maternidade Lucrécia Paim. Foi realizado um estudo de abordagem qualitativa. O local do estudo foi na Maternidade Lucrécia Paim, Luanda, Angola. Fizeram parte do estudo 29 puérperas, que tiveram seus partos na maternidade Lucrécia Paim. Os dados foram colectados através de entrevista semiestruturada, as entrevistas foram gravadas e transcritas na íntegra. A amostra se deu pela saturação dos dados. Para a análise dos dados foi utilizada a análise de conteúdo, modalidade temática. Os resultados mostraram três temáticas: 1). Como cuidar do coto umbilical; 2) Objectivos do cuidado do coto umbilical e, 3) Pessoas de referência para o cuidado do coto umbilical. Observou-se que as puérperas usam o álcool e também outras usam substâncias/produtos culturalmente conhecidos, para facilitar a queda rápida e a desinfecção do coto umbilical. A maioria das puérperas aprenderam a cuidar o coto umbilical no meio familiar e na sociedade. Uma minoria aprendeu com profissionais de saúde. Também se realçou que, os profissionais não orientam as puérperas sobre o cuidado do coto umbilical do recém-nascido.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

Angola, D. N. (2015). Luanda: DNSP.

Angola, G. d. (8 de Agosto de 2018). Decreto Presidecial nº 191/18 de 8 de Agosto. Estatuto da Carreira Docente. Luanda, Angola.

Angola, I. N. (2014). Resultados Préliminares do recenseamento geral da população e habitação. INE LUANDA ANGOLA.

Boehs, A. E., Monticelli, M., & Elsen. (1991). Mulheres falando do sobre suas crenças e práticas no cuidado ao coto umbilical do recém-nascido. R. Bras. Enferm. Brasília.

Brasil, M. D. (2012). Atenção á saúde do recém-nascido: Guia para os profissionais de saúde. BRASÍLIA.

Capurro, H. (2004). Topical umbilical cord care at birth: RHL commentary (last revised: 30 September 2004). Geneva: The WHO Reproductive Health Library; Organization.

Demo, P. (2005). Metodologia da Investigação em Educação. Curitiba: IBPEX.

Erenel, A. S., Vural, G., Efe, S. Y., Özkan, S., Özgen, S., & Erenoglu, R. (2010). Comparison of Olive Oil and Dry-Clean Keeping Methods in Umbilical Cord Care as Microbiological. Em A. S. Erenel, G. Vural, S. Y. Efe, S. Özkan, S. Özgen, & R. Erenoglu, Maternal Child Health Journal, v. 14, (pp. p. 999–1004,).

Estratégicas., B. M. (2011). Atenção á saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde . Brasília.

Fontanella, B. J., Ricas, J., & Turato, E. R. (2008.). Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cadernos de Saúde Pública, . Em B. J. Fontanella, J. Ricas, & E. R. Turato. Rio de Janeiro, v. 24, .

Kesterton, A. J., & Cleland, J. (2009). Neonatal care in rural Karnataka: healthy and harmful practices, the potential for change. BMC Pregnancy and Childbirth, . Em A. J. Kerterton, & J. Cleland.

Lawn, J., Mongi, P., & Cousens, S. (2008). Os recém-nascidos africanos – como conta-los e fazer com que contem! In: WHO; THE PARTNERSHIP FOR MATERNAL NEWBORN AND CHILD HEALTH. Oportunidades para os recém-nascidos em África. Joy Lawn; Kate Kerber (Edit.). Em J. LAWN, P. MONGI, & S. COUSENS.

Lincetto, O. (2008). Controlo Pré-Natal. In: WHO; THE PARTNERSHIP FOR MATERNALNEWBORN AND CHILD HEALTH. Oportunidades para os recém-nascidos em África. Joy Lawn; Kate Kerber . Em O. Lincetto.

Maia, S. M., & Silva, L. R. (2012). Saberes e práticas de mães ribeirinhas e o cuidado dos filhos recém-nascidos: contribuição para a enfermagem. Revista de Enfermagem Referência. Em S. M. Maia, & L. R. Silva.

Minayo, M. C. (1994). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. Em M. C. Minayo. São Paulo: Hucitec; Rio de Janeiro: Abrasco,.

Minayo, M. C. (2002). Hermenêutica - Dialética como caminho do pensamento social. In: Minayo, M. C. S.; Deslandes, S. F. (Org.). Caminhos do pensamento: epistemologia e método. Rio de Janeiro: Fiocruz. Em M. C. Minayo.

Mrisho, M., Schellenberg, J. A., Mushi, A. K., Obrist, B., Mshinda, H., Tanner, M., & Schellenberg, D. (2008). Understanding home-based neonatal care practice in rural southern Tanzania. . Em M. Mrisho, J. A. Schellenberg, A. K. Mushi, B. Obrist, H. Mshinda, M. Tanner, & D. Schellenberg. Transactions of the Royal Society of Tropical Medicine and Hygiene.

Organização Mundial Da Saúde. (2006). Sobrevivência neonatal. Documento traduzido da Série The Lancet. London. Obtido em 2013, de http://www.who.int/maternal_child_adolescent/documents/pdfs/lancet_neonatal_survival_series_pr.pdf.

Organização Mundial Da Saúde. (2013). http://www.who.int/maternal_child_adolescent/documents/pdfs/lancet_neonatal_survival_series_pr.pdf. Obtido de Sobrevivência neonatal. Documento traduzido da Série The Lancet, London, março, 2005. 60 p. 2006.: http://www.who.int/maternal_child_adolescent/documents/pdfs/lancet_neonatal_survival_series_pr.pdf.

Rajaratnam, J. K., Marcus, J. R., Flaxman, A. D., Wang, H., Levin-Rector, A., Dwyer, L., . . . Murray, C. J. (2010). Neonatal, postneonatal, childhood, and under-5 mortality for 187 countries, 1970–2010: a systematic analysis of progress towards Millennium Development Goal 4 . London: The Lancet.

Ribeiro, M. B., & Brandão, M. N. (2011). A produção científica da enfermagem sobre coto umbilical. . Em M. B. Ribeiro, & M. N. Brandão. Revista Interdisciplinar Novafapi, Teresina, .

Siqueira, K. M., Barbosa, M. A., Brasil, V. V., Oliveira, L. M., & Andraus, L. M. (2006). Crenças populares referentes à saúde: apropriação de saberes sócio-culturais. Texto Contexto Enferm, . Em K. M. Siqueira, M. A. Barbosa, V. V. Brasil, L. M. Oliveira, & L. M. Andraus. Florianópolis,.

Tomeleri, K. R., & Marcon, S. S. (2009). Práticas populares de mães adolescentes no cuidado aos filhos. Acta Paul Enferm,. Em K. R. TOMELERI, & S. S. MARCON.

UAN. (2014). Comissão de Ética da Faculdade de Medicina da Universidade Agostinho Neto(Deliberação nº 4/14).

USAID, A. P. (2010). Avaliação do Sistema de Saude de Angola.

WHO. (1998). Care of the Umbilical Cord: a review of the evidence. Reproductive Health (Technical Support) Maternal and Newborn Health / Safe Motherhood,. Geneva.

WHO. (Abril de 2013). http://www.who.int/pmnch/media/publications/opportunidades_port.pdf. Lawn, THE PARTNERSHIP FOR MATERNAL NEWBORN AND CHILD HEALTH. Oportunidades para os recém-nascidos em África. Joy; de, Kate Kerber (Edit.). 2008. 250p. Obtido de http://www.who.int/pmnch/media/publications/opportunidades_port.pdf.

Who; Health, The Partnership For Maternal Newborn And Child. (2008). Oportunidades para os recém-nascidos em África. Joy Lawn; Kate Kerber (Edit.). Obtido em 2013, de http://www.who.int/pmnch/media/publications/opportunidades_port.pdf.

Zupan, J., Garner, P., & Omari, A. A. (2004). Topical umbilical cord care at birth. Cochrane Database Syst Rev, v.3, 2004. CD001057.

Downloads

Publicado

2024-04-27

Como Citar

O Cuidado do Coto Umbilical para um Grupo de Puérperas de Luanda. (2024). Revista Angolana De Ciências , 5(2), e050212. https://doi.org/10.54580/R0502.12

Artigos Similares

1-10 de 13

Também poderá iniciar uma pesquisa avançada de similaridade para este artigo.