Distribuição espacial do risco de infecções respiratórias agudas em Angola, no período 2016-2019: uma previsão de contágio por COVID-19

Palavras-chave: Doenças respiratórias, Risco de Infecções, Angola

Resumo

O incremento de casos e óbitos de infecções respiratórias agudas constituem um problema social e económico em Angola. Com o objectivo de estratificar a ocorrência das doenças respiratórias agudas, realizou-se um estudo descritivo transversal no período de 2016 a 2019. Foram estudadas as variáveis de morbilidade e mortalidade a nível nacional, provincial e municipal. As fontes estatísticas foram os relatórios provinciais, fichas de notificação de doenças e o Software Distrital de Informação em Saúde. A estratificação de risco da morbilidade e mortalidade das infecções respiratórias agudas, nos níveis provincial e municipal baseou-se no cálculo das taxas e foram identificados estratos de alto risco, médio e baixo e os resultados foram apresentados em mapas. Na morbilidade, 10 províncias tiveram um risco maior, representando 55,6%, o moderado e baixo em 4 (22,2%) para cada; nos municípios, 50 % tiveram maior risco, 35,2 % com risco moderado e 14,7 % com baixo risco. O maior risco de morrer foi em 5,5% das províncias, moderado em 55,5% e baixo em 44,4%; nos municípios, 38,4% tiveram maior risco, 33,3% com moderado e 28,2% com baixo risco. Na estratificação, identificou-se que a nível das províncias e municípios houve maior risco da morbilidade. Quanto a mortalidade, observou-se predomínio de risco moderado nas províncias e o risco alto e moderado, foi observado nos municípios. Esta informação é útil para as autoridades sanitárias na organização e planificação dos serviços, na distribuição de recursos humanos e materiais para uma maior cobertura e efectividade de acções intersectoriais na prevenção e controlo destas doenças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alegret M. (2006). Propuesta metodologica para la incorporacion mas efectiva del analisis espacial en Ciencias de la salud. (Tesis de doctorado, ENSAP). Disponível em: http://tesis.sld.cu/index.php?P=FullRecord&ID=76&ReturnText=Search+Results&ReturnTo=index.php%3FP%3DAdvancedSearch%26Q%3DY%26FK%3Dmilagro%2Balegret%26RP%3D5%26SR%3D0%26ST%3DQuick

Angola. Centro de Processamento de dados epidemiológicos. (2019). Boletim Anual Epidemiológico. Luanda: Imprensa Nacional.

Cardoso M; Alicemaria P. (2004). Doenças respiratórias agudas em serviços de saúde entre 1996 e 2001. Revista de saúde Pública. 38(3), 346 – 350.

Collejo Rosabal, Y., Martínez Orozco, D., Leyva Provance, S., Vargas Cruz, I., & Zaldívar Suárez, N. (2020). Estratificación epidemiológica de enfermedades seleccionadas. Granma. 2018. MULTIMED, 24(3), 569 – 584.

Denecir, D. (2011). Geografia Da Saúde No Brasil: Arcabouço Téorico-Epistemológicos. (Teses de doutorado, Universidade Federal de Paraná). Recuperado de : https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/26567/Tese+Completa.pdf?sequence=1

García, C.; Alfonso Aguilar, P. (2013). (2013). Estratificación epidemiológica de riesgo. Revista Archivo Médico de Camagüey, 17(6), 762-783.

García, C, Alfonso Aguilar, P. (2013). Vigilancia epidemiológica en salud. Revista Archivo Médico de Camagüey, 17(6), 784-805.

González, A., Miquel A., Rodríguez , D., Hernández l, M., Sánchez , L., Mediavilla Herrera, I. (2017). Concordancia y utilidad de un sistema de estratificación para la toma de decisiones clínicas. Atencion Primaria, 49(4), 240–247. https://doi.org/10.1016/j.aprim.2016.04.009

Jackson, S., Mathews, K. H., Pulanic, D., Falconer, R., Rudan, I., Campbell, H., & Nair, H. (2013). Risk factors for severe acute lower respiratory infections in children: a systematic review and meta-analysis. Croatian medical journal, 54(2), 110–121. https://doi.org/10.3325/cmj.2013.54.110

León, P, Fariña, Ana T, Goslin C, Leonor L, Sánchez G. (2013). Experiencias en las etapas de control y sostenibilidad de la epidemia de Dengue. Revista Cubana de Medicina General Integral. 29(4), 270-287.

Loke YK, Kwok CS, Niruban A, Myint PK. (2010). Value of severity scales in predicting mortality from community-acquired pneumonia: systematic review and meta-analysis. Thorax. 65 (10). 884-90. http://dx.doi.org/10.1136/thx.2009.134072

Moore, PC., Huang, C., Rodriguez, A., Wiebe, R., Siegel, J. (2013). Presenting Signs and Symptoms of Rapidly Progressing Severe Pneumonia in the Pediatric Emergency Department. Emergency Med.; 3 (2), 2-4.

Organización Panamericana de la Salud. (2019). Manual de estratificaciónsegún el riesgo de Malaria y eliminación de focos de transmisión. OPS. Recuperado de: https://www.paho.org/hq/index.php?option=com_docman&view=download&slug=malaria-technical-advisory-group-session-8-2019-only-in-spanish&Itemid=270&lang=en

Orueta, J., Astrabudua. C. S., Uribe, O. S. Estratificación poblacional. Resultados en salud. (2017). Osakidetza, Recuperado de : https://www.fundacionsigno.com/ponencias_escorial_2017/El_Escorial_Estratificacion_Ion_Orueta_26_oct_2017.pdf

Solé-Violán, J., de Castro, F. v., García-Laorden, M. I., Blanquer, J., Aspa, J., Borderías, L., Briones, M. L., Rajas, O., Carrondo, I. M., Marcos-Ramos, J. A., Ferrer Agüero, J. M., Garcia-Saavedra, A., Fiuza, M. D., Caballero-Hidalgo, A., & Rodriguez-Gallego, C. (2010). Genetic variability in the severity and outcome of community-acquired pneumonia. Respiratory medicine, 104(3), 440–447. https://doi.org/10.1016/j.rmed.2009.10.009

Varela,T., Giovacchini, C.; Angeleri, P.; Morales, M.; Fabbri, C.; Luppo, V. (2019). Elaboración de criterios epidemiológicos para estratificar por departamento el riesgo poblacional de dengue grave. Rev Argent Salud Pública.10(39). 38-41.

Verdasquera D, Pérez, K., Norales, A., Vázquez A. (2013). Estratificación del riesgo de enfermar y morir por leptospirosis humana. Revista Cubana de Medicina Tropical, 65(2), 191-201.

Wonodi, C. B., Deloria-Knoll, M., Feikin, D. R., DeLuca, A. N., Driscoll, A. J., Moïsi, J. C., Johnson, H. L., Murdoch, D. R., O'Brien, K. L., Levine, O. S., Scott, J. A. (2012). Evaluation of risk factors for severe pneumonia in children: the Pneumonia Etiology Research for Child Health study. Clinical infectious. 54 Suppl 2(Suppl 2), 124–S131. https://doi.org/10.1093/cid/cir1067

Publicado
2020-08-02
Como Citar
Manuel, E., Reis, H. F., & López Lamezón, S. (2020). Distribuição espacial do risco de infecções respiratórias agudas em Angola, no período 2016-2019: uma previsão de contágio por COVID-19. RAC: Revista Angolana De Ciências, 2(2), e020201. Obtido de http://publicacoes.scientia.co.ao/ojs2/index.php/rac/article/view/87