Comportamento das infecções respiratórias agudas em Angola, no período 2012-2019: antevendo a pandemia da COVID-19

Palavras-chave: doenças respiratórias; risco; vigilância

Resumo

As infecções respiratórias agudas constituem um problema de saúde pública em Angola, pela perda de vidas humanas. Para descrever a sua ocorrência, realizou-se um estudo descritivo longitudinal de Síndromes Gripal, Pneumonia grave em menores de cinco anos e Infecções Respiratórias Agudas em maiores de cinco anos, no período de 2012 - 2019. Analisou-se á morbilidade e mortalidade em tempo e espaço. As fontes estatísticas oficiais foram os relatórios provinciais, fichas de notificação de caso. Foram utilizadas frequência absoluta e relativa, taxas gerais e mudança relativa. Os resultados foram apresentados em tabelas e gráficos. A Síndrome Gripal incrementou o risco de adoecer em 9,2% entre Junho e Agosto nos anos 2018 e 2019, a Pneumonia em menores de cinco anos em 9,5% entre Março a Junho e a Infecção Respiratória Aguda em 4,7% entre Abril e Agosto e o corredor endêmico do país esteve em epidemia destas doenças. O risco de morrer por Infecção respiratória grave em maiores de 5 anos incrementou em 5,7%. O risco da Pneumonia grave em menores de 5 anos diminuiu em14,3%. Nos meses de Maio à Setembro incrementou o risco da morbilidade das doenças respiratórias a nível das províncias e registaram-se surtos epidémicos cíclicos. Neste período a mortalidade e letalidade por Infecções Respiratórias Agudas em maiores de 5 anos e Pneumonia grave em menores de 5 anos aumentou o risco a nível das províncias, em relação ao país. Evidenciou-se que para diminuir a morbilidade e mortalidade é necessário uma vigilância activa destas doenças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Angola. Centro de Processamento de dados epidemiológicos. (2019). Boletim Anual Epidemiológico. Luanda: Imprensa Nacional.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2017). Medidas de Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde. Brasília: Anvisa.

Carvalho, A. P, Faria, S. M. (2014). Vacinação da criança e adolescente. Residência Pediátrica. 4(3, Supl. 1). S10-S22.

Coutin Marie, G., Sacerio Brunet, Z., Hernández González P. L., & Abreu Mendoza Y. (2006). Pronóstico de infecciones respiratorias agudas. Cuba, 1996-2006. Reporte Técnico de Vigilancia. 11 (5). 1-13.

Direcção Nacional de Saúde Pública. (2013). Manual de Vigilância Epidemiológica integrada de doenças e resposta. Luanda. Edições Angola, Lda.

Dowell, S. F., & Ho, M. S. (2004). Seasonality of infectious diseases and severe acute respiratory syndrome-what we don't know can hurt us. The Lancet. Infectious diseases, 4(11), 704 – 708. https://doi.org/10.1016/S1473-3099(04)01177-6

Forero Holguín, M. M., & Ramos Moreno, L. J. (2015). Factores de riesgo que desencadenan Infección Respiratoria Aguda (IRA) en niños menores de 5 años. Revista Aire Libre. 3. 47-57.

García-Sánchez JE, e outros (2015). A polio, e largo camino hacia e final da partida. Enfermedades infecciosas y microbiología clínica, 33(10), 69–78. https://doi.org/10.1016/j.eimc.2014.10.005

Lipsitch, M., David, L., Finelli, L. (2020). Defining the Epidemiology of Covid-19 — Studies Needed. New England Journal Medicine 382. 1194-1196. https://doi.org/10.1056/NEJMp2002125

Luna, E. J. de A., Gattás, V. L., & Campos, S. R. de S. L. da C. (2014). Efetividade da estratégia brasileira de vacinação contra influenza: uma revisão sistemática. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 23(3), 559-576

Macedo, S., Cardozo, Menezes, E., Baptista, Albernaz A. M., Post, P., Knorst, M. (2007). Fatores de risco para internação por doença respiratória aguda em crianças até um ano de idade. Revista de Saúde Pública, 41(3), 351-358. https://doi.org/10.1590/S0034-89102007000300005

Moura F. E, Nunes I. F, Silva G. B Jr, Siqueira M. M. (2006). Respiratory syncytial virus infections in northeast tern Brazil: seasonal trends and general aspects. The American Society of Tropical Medicine and Hygiene. 74(1). 165 - 167.

Oliveira, M. F. S. de, Martinez, E. Z., & Rocha, J. S. Y. (2014). Fatores associados à cobertura vacinal em menores de cinco anos em Angola. Revista de Saúde Pública, 48 (6), 906-915. https://doi.org/10.1590/s0034-8910.2014048005284

Ortiz, C. E., Guerra, D. E., Sánchez, H. M. R., et al. (2013). Comportamiento epidemiológico de las infecciones respiratorias agudas en infantes. Granma, 2000-2010. MultiMed. 17(2). 1-19.

Pérez Carrasco, M. (2015). Influenza A (H1N1) PDM 2009. Papel da medicina intensiva durante a pandemia y post-pandemia. (Tese Doutoramento, UAB). https://ddd.uab.cat/pub/tesis/2016/hdl_10803_378845/mapeca1de1.pdf

Razón Behar, R. (2003). Prevención de las infecciones respiratorias agudas: Presente y futuro. Revista Cubana de Pediatría, 75(4).

Shek, L.P, Lee, B. W. (2003). Epidemiology and seasonalityofrespiratorytractvirus infections in thetropics. Paediatr. Respir. Rev; 4(2).105-11.

Sousa, N. M. N., Dantas, R. T., & Limeira, R. C. (2007). Influência de variáveis meteorológicas sobre a incidência do dengue, meningite e pneumônia em João Pessoa-PB. Revista Brasileira de Meteorologia, 22 (2), 183-192. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-77862007000200004

Valdes, E. (2018). Intervenção Educativa sobre Infecção Respiratória Aguda em crianças de 0 a 12 anos atendidas na UBS Bela Vista no Município de Guairá, Paraná (Tese especialização, Universidade Federal de Santa Catarina). https://ares.unasus.gov.br/acervo/html/ARES/13020/1/Ernesto_Valdes_Gordillo.pdf

Villena R. (2017). Vacunas e Infecciones Respiratorias. REV. MED. CLIN. CONDES. 28(1) 72-82. https://doi.org/10.1016/j.rmclc.2017.02.010

Publicado
2020-08-02
Como Citar
Leon Cabrera, P., António, A., & Rodríguez González, G. (2020). Comportamento das infecções respiratórias agudas em Angola, no período 2012-2019: antevendo a pandemia da COVID-19. RAC: Revista Angolana De Ciências, 2(2), e020202. Obtido de http://publicacoes.scientia.co.ao/ojs2/index.php/rac/article/view/86