Aplicação do EPOSTL no contexto angolano de formação inicial de professores

Palavras-chave: formação, professores, Inglês, EPOSTL

Resumo

Este artigo apresenta os resultados da experimentação do European Portfolio for Student Teachers of Languages (EPOSTL) no contexto do ensino superior angolano, refletindo sobre a sua eficácia na prática pedagógica da formação inicial de professores de língua inglesa. A pesquisa durou um semestre lectivo e a amostra compreendeu 40 estudantes que foram submetidos a um questionário. Os 15 estudantes mais destacados em termos de informações por eles fornecidas foram ainda submetidos a entrevistas semiestruturadas com a finalidade de aprofundar e pormenorizar tais informações. Os resultados do inquérito demonstram que cerca de dois terços dos participantes (63%) encaram positivamente o uso do portfólio na formação de professores de inglês em Angola, declarando que ele ajuda a refletir sistematicamente sobre as práticas pedagógicas e promove aprendizagem autónoma. Grandes porções dos participantes indicam como categorias mais relevantes para refletir as práticas, o Lesson Planning (75%), o Resources (68%) e o Conducting a Lesson (63%). No computo geral, mais de 50% dos estudantes concorda completamente, afirmando que este instrumento é compatível com a realidade angolana, enquanto que 88% dos entrevistados recomenda a utilização do portefólio. Isto demonstra que o EPOSTL contribui na promoção da reflexão e da autonomia na formação inicial de professores em Angola, um contexto que geralmente privilegia abordagens tradicionais de ensino no sentido de pura memorização e autoritarismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70

Byram. M. (2008). From foreign language education to education for intercultural citizenship essays and reflections. Languages for intercultural communication and education,17, 5-222

Cakir, A., &Balcikanli. C. (2012). The use of the EPOSTL to foster teacher autonomy: ELT student teachers’ and teacher trainers’ views. Australian Journal of Teacher Education, 32(3), 1-16.

Cartwright, L. (2011). How consciously reflective are you? In, D. McGregor; & L.Cartwright (Eds.). Developing Reflective Practice: A guide for beginning teachers. (pp. 55-68) London: Open University.

Charréu, L. V., & Oliveira, M. O. (20115). Diários de aula e portfólios como instrumentos metodológicos da prática educativa em artes visuais. Cadernos de Pesquisa, 45(156), 410-425. DOI: htt://dx.doi.org/10.1590/198053142839

Chitashvili, N. (2007). The concept of autonomy in second language learning. Georgian Electronic Scientific Journal: Education, Science and Psychology, 2 (11), 17-22.

Creswell, J. W. (2009). Reseach design: qualitative, quantitative, and mixed methods approaches. London: Sage.

Fernandes, D. (2009). Avaliar para aprender: fundamentos, práticas e políticas. SãoPaulo: Editora UNESP.

Flick, W. (2013). Métodos qualitativos na investigação científica. Lisboa: Monitor.

Gutierrez, S. S. R., González, J. S., & Ruiz, C. S. (2014). El diário del estudiante deenfermeira en la prática clínica frente a los diarios realizados en otras disciplinas. Una revisión integradora. Aquichan, 14(3), 403-416. DOI: 10.5294/qui.2014.14.3.10

Hernandez, F. (2000). Cultura visual, mudança educativa e projeto de trabalho. Porto Alegre: Artes Médicas Sul.

Heyworth, F. (2013). How an ECML publication can make a difference – case study onthe european portfolio for student teachers of languages. (22nd Meeting of the Governing Board). DGII/EDU/GRAZ, 13, 15-20.

Hill, M. M., & Hill, A. (2012). Investigação por questionário. 2ª Ed. 5ª Imp. Lisboa: Edições Sílabo.

Hill, M. M., & Hill, A. (2005). Investigação por questionário. 1ª Ed. Lisboa: Edições Sílabos.

Hoxha, M., &Tafani, V. (2015). European Portfolio for Student - Teachers of Languages(EPOSTL) and Insights from Student - Teachers’ Feedback. Academic Journal of Interdisciplinary Studies, 4(3), 71-78. Doi:10.5901/ajis.2015.v4n3p71

Jimbo, H., Hisamura, K., Usui. Y., Oda, M., & Yoffe, L., (2011). A Comprehensive Studyon the Framework of English Language Teachers Professional Development in Japan. Tokio: JACET SIG on English Education.

McGregor. D. (2011). What can reflective practice mean for you . . . and why should you engage in it? In: Debra, M. & Lesley, C. (Eds.). Developing reflective practice: aguide for beginning teachers. (pp. 1-20). London: Open University.

Griffee, D. T. (2012). An Introduction to second language research methods: design and data. California: TESL-EJ Publications

Mirici, I. H., & Demirbas, S. (2013). How to turn the epostl into na electronic setting: the e-epostl. Procedia – Social and Behavioral Sciences, 106, 1368-1377.

Mirici, I. H., & Hergüner, S. (2015). A digital european self-assessment tool for student teachers of foreign languages: the EPOSTL. TOJET: The Turkish Online Journalof Educational Tecnology, 14 (1), 1-10.

Newby, D., Allan, R., Fenner. A., Jones, B-A., Komorowska, H., & Soghikyan, K.(2007). European portfolio for student teachers of languages: a reflection tool for language teacher education. Brussels: Council of Europe.

Nogueira, C: C. L. (2013). O portfolio de docência como estratégia formative de docentes do ensino superior em Portugal: um estudo de caso. Revista de Docência Universitaria, 11(3), 173-196.

Leavy, P. (2017). Research Design: Quantitative, qualitative, mixed methods, arts-based, and community-basedpartipatory research approaches. New York and London: Guilford Press.

Richards, J. (1991). Towards reflective teaching. The teacher Trainer: A PracticalJournal for those who Train, Mentor, and Educate TESOL teachers, 5(3), 4-8.

Tinico, E. F. V. (2012). Portfólios: mais um modismo na educação? Revista Eletrônicade Educação, 6(2), 457-467.

Tuckman, B. W. (2012). Manual de investigação: metodologia para conceber e realizaro processo de investigação científica. 4ª Ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Vila, A. M. A., & Matos, A. G. (20017). Adaptação e utilização de portefólio para aprendizagem reflexiva e autónoma nas práticas pedagógicas de Inglês. Educação em Análise, 2 (1), 97-120. DOI:10.5433/1984-7939.2017v2n1p97.

Publicado
2020-11-02
Como Citar
Vila, A. M. (2020). Aplicação do EPOSTL no contexto angolano de formação inicial de professores. RAC: Revista Angolana De Ciências, 2(3), 275-294. Obtido de http://publicacoes.scientia.co.ao/ojs2/index.php/rac/article/view/83
Secção
Artigos