Entra na roda e ginga: imaginário literário brasileiro sobre a Rainha Ginga

Palavras-chave: Rainha Ginga, Representação, Literatura Brasileira

Resumo

Após uma discussão sobre as diferentes grafias dos nomes da Rainha Ginga e uma breve apresentação da sua presença em outras artes brasileiras, analiso a representação da Ngola Nzinga Mbandi na literatura brasileira a partir de quatro textos de autores brasileiros. São eles: a novela policial O trono da Rainha Jinga (1999[2017]), de Alberto Mussa, o conto A Ginga da Rainha (2005), de Iris Amâncio, o texto dramático A comida de Nzinga (2005), de Aninha Franco e Marcos Dias, e a história em quadrinhos A Rainha Ginga (2008), de Roberto Benjamin.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Agualusa, E. (2015). A rainha Ginga: e de como os africanos inventaram o mundo. Rio de Janeiro: Foz.

Aiyê, I. (2003). Caminho En Canto Negro [CD]. Rio de Janeiro: Warner Music

Amâncio, I. (2005). A ginga da Rainha. Belo Horizonte: Mazza Edições.

Azevedo, J. (1949). Jinga, Rainha de Matamba. Braga: Gráficas Augusto Costa.

Bella, J. (2011). Os primeiros passos da Rainha Njinga. Braga: O cão que lê.

Bella, J. (2012). O regresso da Rainha Njinga. Braga: O cão que lê.

Benjamin, R. (2008). A Rainha Ginga. João Pessoa: Editora Grafset.

Bezerra, O. (2006). Atabaque Nzinga [Filme] Brasil: Elo Company.

Bocage, M. (1991). Poesias Eróticas, Burlescas e Satíricas. Lisboa: ERL.

Brásio, A. (1954). Monumenta Missionária Africana. Lisboa: Agência Geral do Ultramar.

Cadornega, A. (1972). História Geral das Guerras Angolanas. Lisboa: Agência-Geral do Ultramar.

Cascudo, C. (1965). Made in Africa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Castilhon, JL. (1769). Zingha, Reine d'Angola: Historie Africaine en Deux Parties. Paris: Lacombe.

Cavazzi, A. (1965). Descrição Histórica dos Três Reinos do Congo, Matamba e Angola. Lisboa: Junta de Investigações do Ultramar.

Correia, R. (1998). Angola. Datas e Factos, Volume 2. Lisboa: Ediliber.

D´Abrantès, D. (1834). Zingha, Reine de Matamba e d'Angola. En D. D´Abrantès, Les Femmes célèbres de tous les pays. Paris: Lachevardiere.

Dias, G. (1949). A Rainha Ginga. En Boletim Geral das Colónias, vol. XXV. Lisboa: Agência Geral do Ultramar.

Ferréz (2003). Manual Prático do Ódio. São Paulo: Planeta.

Fonseca, B. (2012). Nzinga Mbandi e as guerras de resistência em Angola. Século XVII (Dissertação Mestrado, MHS).

Franco, A., & Dias, M. (2007). A comida de Nzinga. Salvador: Theatro XVIII.

Gaeta, A. (1669). La maravigliosa conversione alla Santa fede di Cristo della Regina Singa, e del Svo Regno di Matamba nell'Africa Meridionale. Napoli: Giacinto Passaro.

Glasgow, R. (2013). Nzinga: resistência africana à investida do colonialismo Português em Angola 1582-1663. São Paulo: Perspectiva.

Gonçalves, D. (1749). Notícia Memorável da vida e acçoens da Rainha Ginga Amena, natural do Reyno de Angola. Lisboa: Oficina de Domingos Gonçalves.

Heintze, B. (1985). Fontes para a História de Angola do século XVII. Stuttgart: Franz Steiner Verlag Wiesbaden.

Heywood, L. (2019). Jinga de Angola: A Rainha Guerreira da África. São Paulo: Todavia.

Iza (2018). Ginga En Dona de Mim [CD]. Rio de Janeiro: Warner Music.

Kandjila, E. (2007). Njango: contos em volta da fogueira. Belo Horizonte: Tradição Planalto.

Lugarinho, M. (2016). A apoteose da Rainha Ginga: gênero e nação em Angola. Revista Cerrados, 41(25), 88-96.

Maia, H. (2019). A ginga da Rainha: apoteose da Rainha Ginga no carnaval carioca. Moderna Sprak, 113, 129-163.

Matta, C. (1882). A verdadeira Rainha Ginga (Ginda Nbandi ou Ginga Amena, D. Anna de Souza). En A. X. Cordeiro (Ed.), Novo Almanach de Lembranças Luso-brazileiro para o anno de 1883. Lisboa: Lallemant Freres, Typographos.

Miranda, R. (2008). Ginga, Rainha de Angola. Lisboa: Oficina do Livro.

Mussa, A. (2016). O ofício do escritor: entrevista. Revista Topoi, 32 (17), 287-307.

Mussa, A. (2017). O trono da Rainha Jinga. Rio de Janeiro: Record.

Neto, A. (1985). O içar da bandeira. En A. Agostinho Neto. Sagrada esperança. São Paulo: Ática.

Pinto, O. (2014). Representações culturais da Rainha Njinga Mbandi (c.1582-1663) no discurso colonial e no discurso nacionalista angolano. Estudos Imagética, 1-31. https://bityli.com/y1fl3

Pacavira, M. (1975). Nzinga Mbandi. Lisboa: Edições 70.

Pantoja, S. (2014). Revisitando a rainha Nzinga: histórias e mitos das histórias En I. Mata (Org.), A Rainha Nzinga Mbandi: história, memória e mito. Lisboa: Edições Colibri.

Pepetela (1999). A gloriosa família: o tempo dos flamengos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Raposo, H. (1926). A Rainha Ginga. En H. Raposo, Ana a Kalunga: os filhos do mar. Lisboa: Ottosgráfica.

Sade, M. (1969). Aline e Valcour. Rio de Janeiro: José Alvaro.

Sade, M. (1980). A filosofia na alcova. São Paulo: Gama.

Santos, S. (2016). Nos traços da mulher: a menina negra na literatura infantil negro-brasileira (Dissertação de mestrado, PPGEL). Disponível em: https://bityli.com/wToMH

Sapiência, R. (2017). A Coisa Tá Preta En Galanga Livre [CD]. São Paulo, Boia Fria Produções.

Silva, S., & Freitas, D. (2016). Representações dos negros na literatura infantil e juvenil. Revista de Educação PUC-Campinas, 21(3), 311-322. https://doi.org/10.24220/2318-0870v21n3a3452

Vasconcelos, N. (2013). Nizinga En 4 Elementos [CD]. Londres, Far Out Recordings.

Wieser, D. (2014). A Rainha Njinga no diálogo sul-atlântico: género, raça e identidade. Iberoamericana, 17(66), 32-53.

Ferreira da Silva, S. G. (2020). Rainha Ginga Mbandi: elo identitário entre Angola e Brasil. RAC: Revista Angolana De Ciências, 2(1), 130-147.

Publicado
2020-11-02
Como Citar
Maia, H. T. (2020). Entra na roda e ginga: imaginário literário brasileiro sobre a Rainha Ginga. RAC: Revista Angolana De Ciências, 2(3), 395 - 419. Obtido de http://publicacoes.scientia.co.ao/ojs2/index.php/rac/article/view/80
Secção
Artigos