A Sobrevivência da Prostituição ante a Diabolização Social

Palavras-chave: Prostituição, Prostituta, Emprego

Resumo

O presente texto analisa a condição histórica desigual da mulher em relação ao homem com as construções sociais de “mulher prostituta e mulher dona de casa” (Nicke, 1992:19), antes da era de Cristo mas contestadas hoje, sobretudo, pelo feminismo que pretende que mulheres e homens tenham os mesmos direitos e deveres em iguais circunstâncias. Por isso, por meio da observação e consulta bibliográfica rigorosa, procuramos buscar o que justifica a actual presença da prostituição e a sua concorrência nas opções de empregabilidade formal através do sistema regulamentarista do feminismo contemporâneo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AAVV. (1989). Bíblia Sagrada. 14ª Edição. CEAST-Luanda: Difusora Bíblica.

BEAUVOIR, S. (1970). O Segundo Sexo: Factos e Mitos., 4ª edição, S.P: Difusão Europeia do Livro.

BERDÚN, L. (2006). O Nosso Sexo. Lisboa: Editora Lua de Papel.

BROWN, D. (2004). O Código da Vinci. Rio de Janeiro: Editora Sextante.

CARDOSO, C. (2013). A Mulher Moderna a Moda Antiga. R.J: Editora S.A.

CARMO, H. (2001). Problemas sociais contemporâneos. Lisboa: UAb.

DEL PRIORE, M. (2011). Histórias Íntimas: sexualidade e erotismo da história do Brasil. São Paulo: Editora Planeta.

DUFOUR, P. (1885). História da prostituição em todos os povos do Mundo: desde a mais remota antiguidade até aos nossos dias. Lisboa: Ed. E e Oficina Typográfica.

EKULICA, M. (2017). O Terceiro Sexo. Portugal: o cão que lê.

FO, J. TOMAT, S. MALUCELLI, L. (2000), O Livro Negro do Cristianismo: Dois Mil Anos de Crimes em Nome de Deus. Rio de Janeiro: Editora Ediouro.

GIDDENS, A. (2013). Sociologia. 9ª Edição. Lisboa: F. C. Gulbenkian

INIDE. (1991). História, I Volume, Makutanga, Luanda: Fábrica de Livros.

KETTENRING, M.M. (2007). Massagens Sensuais. Portugal: Porto Editora.

LUFF, M. (2002). A Vida Quotidiana na Índia Antiga, - J.A, R.J: Ed. Shu,

MEIRA, V.P. (2005). Sexualidade plena, 2ª Edição, S.P: C. P. Brasileira.

MOREIRA, A. R. (2007). Prostituição de Rua: Um problema de Saúde Pública? Contributos para o seu Estudo. Dissertação de Mestrado em Medicina Legal. Universidade do Porto. Repositório aberto. Acesso 04/12/16 http://repositorio-aberto.up.pt/

NICKE, R. (1992). Whores in History: Prostitution in Western Society. United Kingdom: Harper Collins..

PRIORE, M. Del. (2006). História do amor no Brasil, S.P: Editora Contexto.

REINHARDT, V. (2005). Alexander VI: Bórgia, o Papa Sinistro. SP: E. Europa.

ROUSSEAU. J.J. (1999). Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens. http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/desigualdade.pdf

SCOTT, M. e DEDEL, K. (2002). Prostituição de rua (compreender e combater o fenómeno). 2.ª Edição. Aveiro: Comando Distrital de Polícia.

SOUSA, L. (2005). Amanhã a Mesma Hora; Um Diário de uma Stripper Portuguesa. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

SURFINISTA, B. (2005). O Doce Veneno de Escorpião. SP: Panda Books.

TAVARES, M.M.P.F. (2008). Feminismos em Portugal (1947-2007). (Tese de Doutoramento, Universidade Aberta de Portugal). https://repositorioaberto.uab.pt/bitstream/10400.2/1346/1/Tese%20de%20doutoramento%20Manuela%20TavaresVF.pdf

URACH, A. (2015). Morri para viver: meu submundo de fama, drogas e prostituição. Editora Planeta do Brasil Ltda.
Publicado
2020-05-15
Como Citar
Ekulica, T. M. (2020). A Sobrevivência da Prostituição ante a Diabolização Social. RAC: Revista Angolana De Ciências, 2(1), 186-207. Obtido de http://publicacoes.scientia.co.ao/ojs2/index.php/rac/article/view/70
Secção
Artigos