MOVIMENTO DE MASSA NA SERRA DO MOCO: UM FENÓMENO GEOMORFOLÓGICO A COMPREENDER

Palavras-chave: Movimentos de Massa, Alterações, Serra do Moco, Geomorfologia

Resumo

Os movimentos de massa caracterizam-se por serem processos naturais de evolução das encostas e, portanto, da paisagem como um todo. De acordo com a velocidade e composição do material deslocado vertente abaixo, recebe diferentes denominações. São processos desencadeados por uma série de factores naturais, porém, podem ser potencializados pela acção antrópica. Em Angola, os movimentos de massa de grande magnitude, quando ocorridos em áreas ocupadas, ganham contexto de desastres naturais, uma vez que, provocam consideráveis prejuízos socioeconómicos, e por vezes, com vítimas fatais. Estudos desses fenómenos no país aumentaram a partir de meados do século XX, após registos de eventos catastróficos. Nos últimos anos, os ocorridos na Serra da Leba (2011), na cidade do Lobito (2015), tiveram grandes proporções. Esse último deixou um rastro destruição e prejuízos significativos para população local. Nesse contexto, este estudo de caso, baseado em consulta de referencial específico, material cartográfico e, sobretudo análises em campo, se propôs a compreender e classificar o evento ocorrido na Aldeia de Candjonde no dia 19 Março de 2016, mais precisamente no compartimento de relevo denominado Serra do Moco ou Morro do Moco, de maneira apropriada, assim como demonstrar aspectos referentes às alterações provocadas pelo fenómeno em questão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Augusto F, O.; Virgili, J. C. (2004). Estabilidade de Taludes. In: Oliveira, A. M. D. S. e BRITO, S. N. A. D. (Ed.). Geologia de Engenharia. São Paulo: ABGE.

Bigarella, J. J. (1978). Serra do Mar e a porção oriental do estado do Paraná - Contribuição a geografia, geologia e ecologia regional. Brasil.

Bigarella, J. J.; PASSOS, E (2003). Estrutura e origem das paisagens tropicais e subtropicais. Florianópolis. Brasil.

Christofoletti, A (1980). Geomorfologia. São Paulo, Edgard Blucher, 2ª edição.

DREW. D. (1986). Processos Interativos Homem-Meio Ambiente. Portugal: Difel.

Fernandes, N. F.; Amaral, C. P. Movimentos de massa: uma abordagem geológico geomorfológica. In: Guerra, A. J. T.; Cunha, S. B. da (UFRS) Geomorfologia e Meio Ambiente. 3. ed. Rio de Janeiro.

Fernandez, J.G. (2006). Geomorfología estrutural. Ariel: Barcelona.

Guidicini, G.; Nieble, C. M (1984). Estabilidade de taludes naturais e de escavação. São Paulo. Edgard Blücher; Ed. da Universidade de São Paulo.

Cunha, M. A. (Coord.) (1991). Ocupação de encostas. São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas,

Penteado M. M. (1974). Fundamentos de Geomorfologia. Rio de Janeiro, IBGE

Tricart, J (2008). Géomorphologie Structurale, 1968; Vol. II: Géomorphologie Dynamique Générale, 1977; Vol. III: Géomorphologie Climatique, 1981). S.E.D.E.S., Paris.

Romani, J.R.V. e Twidale, C.R. (1998), Formas y paisajes graníticos. Universidade da Coruña, Monografia
Publicado
2019-11-07
Como Citar
Lucamba, E. C., & Baptista, T. P. F. (2019). MOVIMENTO DE MASSA NA SERRA DO MOCO: UM FENÓMENO GEOMORFOLÓGICO A COMPREENDER. RAC: Revista Angolana De Ciências, 1(2), 279 - 303. Obtido de http://publicacoes.scientia.co.ao/ojs2/index.php/rac/article/view/42
Secção
Artigos