Análise Geoespacial para a Determinação das Áreas de susceptibilidade ambiental da serra do Pingano, Província do Uíge

Palavras-chave: Biodiversidade; Geoprocessamento; SIG; Gestão Ambiental.

Resumo

A determinação de risco emergente ou ambiental de uma zona com grande potencial em biodiversidade é fundamental para avaliar como as características físicas e as interferências antrópicas podem influenciar no estado de equilíbrio do sistema. Esta pesquisa teve como objectivo de identificar os factores que estão ligados directamente a perda da biodiversidade e estimar o nível de risco ambiental da serra do Pingano na província do Uíge. A pesquisa apresenta um modelo de determinação de classes de risco ambiental a partir da sobreposição de variáveis naturais e antrópicos, combinando o método de análise de hierarquia dos pesos dos dados, seguindo a ordem de integração em ambiente de Sistema de Informação Geográfica, isso com a finalidade de contribuir na gestão de uso do território. Os resultados obtidos ao longo da pesquisa apontarão que 52,6% da área da serra do Pingano é de classe de risco ambiental considerado muito alta. Nessas zonas, verifica-se uma forte relação entre os níveis de degradação e as características geomorfológicas, as acções antrópicas está ligado directamente com a perda da biodiversidade. O mapa de risco ambiental elaborado que teve como base as variáveis susceptibilidade e ameaça ambiental, visou subsidiar as acções para a planificação e a proposição de políticas públicas voltadas à gestão ambiental, e servir de experiência que pode ser replicada em outras áreas e dimensões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Baptista, A. P. (2017). Uma abordagem geográfica sobre a Mata Atlântica. Brasil: Nucleus.

Barbieri, E. (2018). A Variedade de vida no planeta terra. Estado de São Paulo. Santos: Flumitiba.

Capingala, J. C. (2018). O Reino dos Bakongos e suas Culturas. Luanda: Njila.

Cavanda, D., e Ambrósio, J. (2021). Tutela ambiental. análise jurídico-protectiva e sustentavel.1ª ed. Luanda: Mayamba Editora.

Chape, H. (2017). Measuring The Extent And Effectiveness Of Protected Areas As An Indicator For Meeting Global Biodiversity Targets. Philosophical Transactions Of Royal Society. Dresnmtry: Politc School.

Cunha, S. A. (2017). Desmatamento e Degradação do solo. Projeto Água e Cidadania na Bacia do Apa – uma abordagem sistemática e transfronteiriça na década brasileira da água Ct- Hidro/Mct/Cnpq. Paraiba: Ed. Cantiga.

Dean, M. (2018). A História e a devastação da mata do Sul de Africa. Namibia: Savana.

Deniz, A. C. (2017). Características mesológicas de Angola. Descrição e correlação dos aspetos fisiográficos, dos solos e da vegetação das zonas agrícolas angolanas. 2a ed. (2 Ed.). Lisboa: Ipad.

Gomes. (2017). Avaliação da qualidade de estudos de impacto ambiental de Pequenas Centrais Hidrelétricas. Paraná: HOLOS.

IDF. (2010). Relatório anual do Instituto de Desenvolvimento Florestal. Luanda: Expansão.

Ramos, E. C. (2010). O processo de constituição das concepções de natureza. Uma contribuição para o debate na educação ambiental. Ambiente & Amp; Educação, 15(1), 67–92.

Rodrigues, G. S. (2010). Avaliação de Impactos Ambientais em Projectos de pesquisas. Aguariaúna: Embrapa.

Sánchez, A. (2016). Avaliação do empacto ambiental e o seu papel na gestão de empreendimentos. São Paulo: Senac.

Santos, H. J. (2016). Evolução da avaliação de impacto ambiental para empreendimentos rodoviários. Uma análise descritiva e aplicada (Tese Doutoramento, UPF). Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/eng/article/view/6616

Sondheim, M. W. (2018). Um Método para a avaliação global de impacto ambiental. Rio de Janeiro: Management.

Valeriano. (2008). Sistema de gestão ambiental que permite uma organização desenvolver uma estrutura para a proteção do meio Ambiente. Porto: Porto Editora.

Publicado
2021-12-11
Como Citar
Barros, K. S. M., Muana, T. J., & da Silva, J. F. de S. G. (2021). Análise Geoespacial para a Determinação das Áreas de susceptibilidade ambiental da serra do Pingano, Província do Uíge. RAC: Revista Angolana De Ciências, 3(2), 466-488. https://doi.org/10.54580/R0302.11
Secção
Artigos