O hipoclorito de sódio como desinfectante de superfícies na prevenção da COVID-19

Palavras-chave: hipoclorito de sódio, desinfectante, protocolo, COVID-19

Resumo

A COVID-19 é uma doença que está a dizimar milhões de pessoas em todo o mundo, de entre as inúmeras recomendações de como proteger-se da infecção pelo vírus SARS-CoV-2, a higienização e desinfecção das superfícies que tocamos é primordial. O objectivo deste estudo foi desenvolver um protocolo para orientar os funcionários indicados pelas instituições escolares, para preparar soluções de hipoclorito de sódio para desinfectar essas superfícies. Assim, foi realizada uma pesquisa do tipo qualitativo-descritiva, utilizando a revisão bibliográfica de literatura e normativos orientadores que abordam processos relacionados aos desinfectantes que inactivam o vírus da COVID-19. Recorreu-se a métodos teóricos e empíricos como, analise-síntese, observação e modelação, e para recolha de informação um inquérito dirigido a dez gestores, os resultados foram apresentados por meios de gráficos. A análise dos fundamentos teóricos e do diagnóstico do inquérito revelou que o hipoclorito de sódio é um dos desinfectantes de superfícies mais utilizado, é barato e económico, em concentrações de 0,1% é ideal para inactivar o vírus SAR-CoV-2, sendo que nas instituições escolares encontram-se com algumas limitações no seu preparo. Portanto, reconhece-se a necessidade de disponibilizar um protocolo orientador das acções para o preparo de soluções de hipoclorito de sódio com concentrações adequadas, para prevenir os efeitos negativos provocados pelo vírus SARS-CoV-2.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Barreiros, A. L. B. S.; David, J. M.; David, J. P. (2006). Extresse oxidativo: relação entre geração de espécies reativas e defesa do organismo. Química Nova, 29, (1) 113-123. https://doi.org/10.151590/S0100-4042200600010002.

De Lucca, L. (2006). Controle de qualidade do Hipoclorito de Sódio no Processo de Produção. Relatório final apresentado à disciplina de QMC, do estágio supervisionado do curso de Química. Universidade federal de Santa Catarina. Florianópolis. Brasil.

De Oliveira, M. F. (2011). Metodologia Cientifica: um manual para realização de pesquizas em administração. Universidade Federal de Goias. Catalão-Go. Brasil.

Dias, D. A. (2009). A química do cloro, importância, implicações e elemento motivador no ensino de Química. Projecto de fim de curso, Universidade Federal do Rio de Janeiro).

Direcção Geral de Saúde (2020). Diluições de lixívia. Orientação nª 014/2020 de 21 /03/2020. Lisboa. Portugal: http://www.dgs.pt/ directrízes-da –dgs/orientação-n-0142020-de-21032020-pdf.aspx.

Dos Santos, M. (2002). Trabalho experimental no ensino das ciências. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

Freitas, M. G. G. (2020). Orientação da Direção Geral de Saúde. Número014/2020, de 21 de Março. Lisboa. Portugal.

Kampf, G.; Todt, D.; Pfaender, S.; Steinmann, E.; (2020). Persistence of coronaviruses on inanimate surfaces and their inactivation with biocidal agents. Journal of Hospital Infection. 104, 246-251.

Lima, M. L. S. O; Almeida, R. K. S; Da Fonseca, F. S. A; Gonçalves, C. C. S. (2020). A química dos saneantes em tempos de COVID-19: você sabe como isso funciona? Quim. Nova, XY, (00), 1-11, http://dx.doi.org/10.21577/0100-4042.20170552.

Liu, J.; Liao, X; Qian, S; Yuan, J; Wang F; Liu Y; Liu Y; e outros (2020). Community transmission of Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus 2, Shenzhen, China, 2020. Emerg Infect Dis. 26(6): 1320-1323.

Marconi, M. A. & Lakatos, E. M. (2003). Fundamentos de metodologia científica, 59 edição. São Paulo Editora atlas S. A.

Neves, J. L. (1996). Pesquiza Qualitativa – Características, Usos e Possibilidades. Caderno de Pesquiza em Administração.

Raggazzi, M. (2011). Concentração das soluções em Coleção de estudo de Química. Volume (5), Editora Bernoulli, Itália.

Secretaria de Estado de Saúde (2000). Coronavírus (COVID-19). Desinfecção de locais públicos. Nota orientativa nº23/2020.Governo do estado do Paraná. Brasil.https://iris.paho.org/bitstream/handle/10665.2/52310/OPASBRACDECOVID19200015_por.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Silveira, M. R. (2020). Unidade de terapia intensiva, ventiladores mecânicos e perfis latentes de mortalidade associada à letalidade no Brasil. Cad. Saúde Pública; 36(5).

Sousa, J. B. M. (2020). COVID-19 e os desafios da publicação contínua. RAC: Revista Angolana De Ciências, 2(2), e020200.

Van Doremalen, N.; Bushmaker, T.; Morris, D. H.; Holbrook, M. G.; Gamble, A. (2020). Aerosol and Surface Stability of SARS-CoV-2 as Compared with SARS-CoV-1. N. Engl. J. Med. 382, 1564.

World Health Organization (2020a). Coronavírus Disease (COVID-19) advice for the Public of Genebra: https//www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019/advice-for-public.

World Health Organization (2020b). Vigilância mundial da COVID-19 causada por infecção humana pelo Vírus COVID-19. Orientações Provisórias. 20 de Março de 2020. WHO/2019-nCoV/SurveillanceGuidance/2020.4.

World Health Organization (2020c). Cleaning and disinfection of environmental surfaces in the context of COVID- 19. Interim Guidance of 15 May 2020. WHO/2019-nCoV/Disinfection/2020.1.

World Health Organization (2020d). Essential environmental health standards in health care. Geneva. https//www.who.int/water.sanitation health /publication/ehs.hc/en/.

Publicado
2020-11-06
Como Citar
Watengãla, E. K. C., Díaz Velázquez, M., & Baptista, A. V. M. (2020). O hipoclorito de sódio como desinfectante de superfícies na prevenção da COVID-19. RAC: Revista Angolana De Ciências, 2(2), e020209. Obtido de http://publicacoes.scientia.co.ao/ojs2/index.php/rac/article/view/124