A problemática da ciência aberta e a avaliação da ciência em Angola

Palavras-chave: ciência aberta, avaliação da ciência, Angola

Resumo

A problemática da ciência aberta, da gestão de revistas científicas e, consequentemente, da avaliação da ciência, tem sido bastante discutido ao nível da comunidade científica internacional. Os resultados apresentados por Caballero-Rivero, Sánchez-Tarragó & Santos (2019), permitiram constatar um crescimento estável dos artigos em Acesso Aberto, os quais representam mais de um terço da produção brasileira na Web of Science. Outro resultado à destacar, é da Cátedra Libre Ciencia, Política y Sociedad. (2019), quem realizou uma crítica ao paradigma hegemónico de avaliação por produtos, baseado fundamentalmente em indicadores quantitativos de papers e patentes. Em Angola, é visível o esforço que diferentes instituições têm estado a realizar no sentido de se melhorar a qualidade dos processos substantivos às revistas científicas e consequentemente melhorar a qualidade da informação científica validada nesta região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia Autor

João Baptista Machado Sousa, Director da RAC: revista angolana de ciências

Doutor em Ciências Pedagógicas. Professor Auxiliar e investigador do Instituto Superior de Ciências de Educação do Huambo, nos cursos de licenciatura e mestrado. Membro Fundador e Presidente da Associação Multidisciplinar de Investigação Científica em Angola, http://www.scientia.co.ao/wp/membros/. Membro do grupo de investigação científica, CAFTe (Currículo, Avaliação, Formação e Tecnologias Educativas), do Centro de Investigação e Intervenção Educativas (CIIE), da Universidade do Porto, Portugal, https://www.fpce.up.pt/cafte/equipa.html. Fundador e Director da RAC: revista angolana de ciências, http://publicacoes.scientia.co.ao/ojs2/index.php/rac. Participou em eventos científicos em Angola e no exterior, publicou artigos científicos em revistas arbitradas e indexadas de países como: Venezuela, Equador, Cuba e Angola. Autor dos livros: Fundamentos y principios para la superación en ambientes virtuales. ISBN. 978-3-659-09494-1; Computadores no ensino 1ra edição. ISBN. 978-3-8417-2473-1; Informática educativa. ISBN. 978-3-330-76506-1. Autor de três capítulos de livros editados e publicados em Portugal e Venezuela.

Referências

Alhambra Declaration (2010). Alhambra Declaration. Available from: https://blog.rcaap.pt/2010/06/12/declaracao-do-alhambra/

Angola. Decreto Presidencial 121/20 de 27 de Abril. Aprova o regulamento de avaliação de desempenho do docente do Subsistema do Ensino Superior. Luanda: Imprensa Nacional

Artigas, W. e Gungula, E.W. (2020). Gestión de revistas a través de OJS: Experiencia de éxito Angolana. e-Ciencias de la Información, 10(1). doi: 10.15517/eci.v10i1.39771.

Berlin declaration (2003). Berlim Declaration. Available from: https://openaccess.mpg.de/Berlin-Declaration.

Bethesda Statement (2003). Bethesda Statement on Open Access Publishing. Available from: http://legacy.earlham.edu/~peters/fos/bethesda.htm.

BOAI (2002). Budapest Open Access Initiative. Budapeste. Available from: https://www.budapestopenaccessinitiative.org/boai-10-translations/portuguese-brazilian-translation.

Caballero-Rivero, A.; Sanchez-Tarrago, N. & Santos, R. N. M. dos. (2019). Práticas de Ciência Aberta da comunidade acadêmica brasileira: estudo a partir da produção científica. Transinformação, 31, e190029. https://doi.org/10.1590/2318-0889201931e190029.

Cátedra Libre Ciencia, Política y Sociedad. (2019). La evaluación en ciencia y tecnología en Argentina. Ciencia, tecnología Y política, 2(3), 025. https://doi.org/10.24215/26183188e025.

Declaração do México (2017). Declaração do México em Favor do Ecossistema Latino-Americano de Acesso Aberto Não Comercial. Cidade do México. Disponível em: http://www.accesoabiertoalyc.org/declaracion-mexico-pt/

DORA (2018). Declaration on Research Assessment. Good practices. San Francisco: DORA. Available from: https://sfdora.org/read/pt-br/.

Santos, S. M., e Nassi-Calò, L. (2020). Gestão editorial: tendências e desafios na transição para a ciência aberta. Em Silveira, L. e Silva, F. C. C. (org) (pp. 18-55). https://doi.org/10.5007/978-65-87206-08-0

Sousa, J. B. M.; Lussinga, A.; Delfino, B. Ch.; Robalo, A. A. P. (2020) A publicação científica. Um desafio para as universidades angolanas. Em Gungula, E. W.; Suarez, W. y Artigas, W. (eds). Investigar para Educar: Visões sem fronteiras. Universidade Óscar Ribas/High Rate Consulting. Angola. DOI: https://doi.org/10.38202/Inv.educ.7

Publicado
2020-11-02
Como Citar
Sousa, J. B. M. (2020). A problemática da ciência aberta e a avaliação da ciência em Angola. RAC: Revista Angolana De Ciências, 2(3), 252-259. Obtido de http://publicacoes.scientia.co.ao/ojs2/index.php/rac/article/view/119
Secção
Editorial