Professores, tecnologias educativas e COVID-19: realidades e desafios em Angola

Palavras-chave: Professor; COVID-19; Educação; Tecnologia educativa

Resumo

A pandemia da COVID-19 afectou os sistemas educativos em todo mundo, provocando o encerramento generalizado das escolas. A socialização dos professores com as ferramentas tecnológicas e o uso de plataformas digitais foram adoptados como estratégias para a continuidade da acção educativa em muitas realidades. Para o caso angolano, adoptaram-se estratégias, tais como as tele-aulas e o aconselhamento das famílias para o desenvolvimento de actividades educativas no contexto domiciliar. O presente estudo teve como propósito averiguar o nível de socialização dos professores com as tecnologias educativas para apoiar o processo de ensino e aprendizagem num contexto de isolamento físico imposto pela COVID-19. Metodologicamente tratou-se de um estudo assente no paradigma quantitativo, com recurso a análise documental e bibliográfica, tendo os dados sido recolhidos por meio de um inquérito por questionário, respondido por uma amostra de 69 professores de oito Províncias. Os principais resultados demonstram que na realidade a escassez de recursos tecnológicos e a falta de habilidades digitais requeridas por parte dos professores funcionam como entrave a um nível desejável socialização com as tecnologias educativas. Por esse motivo, o reforço das competências dos professores no que diz respeito ao uso das tecnologias educativas, a inclusão de recursos digitais nas escolas e a quebra de paradigmas convencionais são apontados como grandes desafios presentes e futuros do sistema de educação e ensino em Angola, no sentido de se contribuir para a evolução e revolução das escolas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANGOLA. Decreto presidencial nº 160/18, de 3 de Julho de 2018. Estatuto dos agentes de educação. Luanda: Imprensa Nacional.

ANGOLA. Decreto-Lei nº 17/16, de 7 de Outubro. Lei de Bases do Sistema de Educação e Ensino. Luanda: Imprensa Nacional.

ANGOLA. Ministério da Educação. (2020). Circular n.º 26/20, de 28 de Julho, que adopta as medidas alternativas que permitam a manutenção das actividades pedagógicas e dos serviços administrativos nas escolas do Ensino Primário e Secundário. Luanda: Imprensa Nacional.

BATES, A. W. (2017). Educar na era digital: design, ensino e aprendizagem (versão digital). Tradução de Teaching in a Digital Age: guidelines for designing teaching and learning. 1. ed. São Paulo. Artesanato Educacional. [PDF]. Disponível em: https://www.buscape.com.br/livros/educar-na-era-digital-design-ensino-aprendizagem-anthony-william-tony-bates-9788564803060

CASCELLA, M., et. al. (2020). Features, Evaluation and Treatment Coronavirus (COVID-19).https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK554776/

DIAMBO, F., YOBA, C., e CHOCOLATE, F. (2020). Continuidade da Acção Educativa e Ensino no Contexto Domiciliar Angolano Durante a Pandemia da COVID-19. Revista Angolana de Extensão Universitária, 2 (3), 68-88.

HARRISON, J. P. (2010). Essentials of Strategic Planning in Healthcare. Health Administration Press. Washington, DC: AUPHA Press

Hill, M. M., e Hill, A. (2016). Investigação por Questionário (2.ª Edição.). Lisboa, Portugal: Edições Sílabo, Lda.

JACINTO, G., CAMPOS, P.M., e CAMPOS, P. A. (2020), A. L. (2019). Uma análise SWOT dos desafios da Educação nos Países da África Subsaariana Ante a COVID-19. Revista Angolana de Extensão Universitária, 2 (3), 11-29.

JULIÃO, A. L. (2019). Compreensão do Currículo escolar em Angola: Realidades, tendências e desafios rumo à qualidade educativa. Saarbrucken: Novas Edições Académicas.

JULIÃO, A. L. (2020). Formação de professores, ensino primário e qualidade educativa em Angola. Revista Internacional de Formação de Professores, Itapetininga. 5 (3), 1-20.

KENSKI, V. M. (2012). Educação e tecnologia: o novo ritmo da informação. 8º. Ed. Campinas, SP: Papirus.

KOCH, M. Z. (2013). As tecnologias no quotidiano escolar: uma ferramenta facilitadora no processo ensino-aprendizagem (Monografia de especialização, UFSM). https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/498/Koch_Marlene_Zimmermann.pdf?sequence=1&isAllowed=y

LEITE, L. S. K. et al. (2014). (coord.) Tecnologia Educacional: Descubra suas possibilidades na sala de aula. 8. ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

MARKONI, M.,e LAKATOS, E. (2009). Técnicas de pesquisa. 7.ed. São Paulo, SP: Atlas.

NEVES, L. (2020). O Ensino e os Professores na Escola Pública durante a Pandemia COVID-19. Público. Comunicação Social SA. https://www.publico.pt/2020/04/04/sociedade/opiniao/ensino-professores-escola-publica-durante-pandemia-COVID19-1910904.

ROBALO, A. A. P. & SOUSA, J. B. M. (2019). Tecnologias digitais no ensino superior e sua relação com a aprendizagem: um estudo no ISCED-Huambo (Angola). Em Leite, C. & Fernandes, P. (Coords.), Currículo, Avaliação, Formação e Tecnologias educativas (CAFTe). Contributos teóricos e práticos. (pp. 666 – 676). http://repositorio.esepf.pt/bitstream/20.500.11796/2817/1/CAFTe2019_AutoRegulacao.pdf

ROLDÃO, M. (1999). Os Professores e a Gestão do Currículo. Porto: Porto Editora.

SOUSA, J. B. M. (2020). COVID-19 e os desafios da publicação contínua. RAC: Revista Angolana De Ciências, 2(2), e020200.

SOUSA, J. B. M. (2020). Investigar para transformar: um diálogo necessário frente aos desafios impostos pela Pandemia da COVID-19. RAC: Revista Angolana De Ciências, 2(1), 01-05.

UNESCO (1994). Declaração de Salamanca e Enquadramento da Acção: Necessidades Educativas Especiais. Sa¬lamanca: Unesco.

VICTOR, L.S. (2020). A Tecnologia na Educação: o educar na era digital. Revista Praxis Pedagógica, Brasil. 3 (4), 78-90.

VILELAS, J. (2017). Investigação: O processo de construção do conhecimento. Lisboa, Portugal: Edições silabo.

Publicado
2020-08-17
Como Citar
Julião, A. L. (2020). Professores, tecnologias educativas e COVID-19: realidades e desafios em Angola . RAC: Revista Angolana De Ciências, 2(2), e020205. Obtido de http://publicacoes.scientia.co.ao/ojs2/index.php/rac/article/view/105